Black Friday

Black Friday: dicas de segurança para compras pela Internet

Não é novidade que a Black Friday caiu no gosto dos brasileiros e do comércio. A grande maioria sabe que esta promoção é proveniente dos Estados Unidos, mas nem todos sabem o porquê dela.

A Black Friday é marcada pelo dia seguinte ao Dia de Ação de Graças, conhecido como Thanksgiving, que é celebrado nos Estados Unidos na 4a. Quinta-feira de Novembro. Este feriado remonta aos anos de 1621 quando os americanos começaram a comemorar com os seus colonos ingleses as boas colheitas do ano com uma ceia bem farta e coroada com Peru assado.

Entretanto, a origem da Black Friday tem algumas versões. Uma delas é no ano de 1869. Segundo registros, dois acionistas da Wall Street, resolveram comprar uma grande quantidade de ouro para revender por preços maiores. Mas numa sexta-feira de setembro o mercado de ouro quebrou e causou um grande prejuízo a muitos investidores. O que denominou-se uma Black Friday para referir-se a crise gerada naquele dia.

A outra versão, e mais conhecida, refere-se ao dia posterior ao dia de Ação de Graça, onde também são realizados diversos jogos de Futebol Americano. Segundo relatos nos anos de 1960, os policiais da Filadélfia usavam o termo Black Friday para se referir a sexta-feira pós Thanksgiving, pois no sábado sempre aconteciam os jogos entre o time universitário da Academia do Exército Americano (Army Black Knights) contra o da Academia da Marinha (Navy Midshipmen). Então, no dia posterior ao Dia de Ação de Graças, a cidade ficava muito movimentada com um grande número de visitantes para assistir ao jogo. Eles denominavam assim, pois consideravam que a cidade ficava um caos e eles tinham que trabalhar além do normal. Os comerciantes, por sua vez, aproveitavam do grande movimento na cidade para atrair clientes e criavam várias promoções.

Mas as promoções no dia após o feriado do Thanksgiving “cairam no gosto” dos americanos e se popularizaram depois dos anos 80. O que remonta a outra origem do termo Black Friday. Existem relatos que está relacionado ao hábito dos comerciantes, na época, anotarem toda a sua movimentação de caixa com caneta vermelha para sinalizar prejuízo e caneta preta para simbolizar lucro. Como a sexta-feira, pós-feriado, tinha uma grande adesão dos americanos às promoções e os comerciantes conseguiam vender mais, fazia com que as anotações ficassem em sua maioria feitas com caneta preta. O que designaria, então, a expressão Black Friday.

No Brasil esta data só entrou no calendário comercial no ano de 2010, quando grandes empresas começaram a adotar o dia para promover descontos que variam de acordo com o produto e serviço.

MAS COMO NÃO SER ENGANADO?

À medida que esta data se aproxima já é possível ver os anúncios no comércio, nos panfletos e nas mais diversas mídias digitais. Junto dos anúncios somos bombardeados pelas redes sociais com informações de clientes que não concordam com os preços, que foram fraudados de alguma forma ou que alegam a prática de muitos estabelecimentos comerciais pelo anuncio “da metade do dobro”. Ou seja, o comércio duplica o valor do produto e anuncia o desconto de 50%.

Muitas reportagens são feitas com advogados especializados em Direito do Consumidor e com representantes do Órgão de Defesa do Consumidor (Procon), além de serem feitas diversas listas de empresas que adotam práticas fraudulentas.

Com a ascensão do comercio eletrônico, as promoções também atingem o universo digital. E na internet os consumidores esbarram ainda mais em negociações poucos seguras e ferramentas que podem causar prejuízos.

DICAS BÁSICAS

O Engenheiro de Software, Alexis Silva, explica que algumas práticas são básicas para a utilização da internet para transações comerciais. “Para qualquer compra pela internet é importante o consumidor nunca usar um computador público, sempre um pessoal com um antivírus instalado. O mesmo se aplica para o sistema de Wi-fi. Nunca usar um Wi-fi que não seja pessoal. O público pode não ser protegido. Além disso, ainda que o site dê a opção, nunca, em hipótese alguma, deixe gravado os dados do seu cartão de crédito”.

Para sites onde é preciso ser feito um cadastro inicial, ele recomenda a utilização de senhas fortes. “Dentro dos padrões de segurança da informação, as empresas consideram uma senha forte aquela que contêm no mínimo 15 caracteres entre letras maiúsculas e minúsculas, números e caracteres especiais”.

Além disso, ele ressalta ainda que, é importante sempre verificar a reputação da empresa na própria internet. “É sempre bom verificar nesses sites de reclamação se existe algum incidente de segurança com a empresa que você está querendo realizar uma compra”.

DICAS TÉCNICAS

Para ele a mais importante dica técnica é verificar se o endereço eletrônico do comércio é “https”. O “s” desse caminho é de “seguro”. Isso significa que os dados são criptografados. Ao digitar esse endereço, automaticamente um cadeado vai aparecer no seu navegador. É importante você clicar nesse cadeado e verificar a validade do certificado. “Este certificado significa que os dados que você vai enviar do seu computador para o site, como os dados do seu cartão de crédito, por exemplo, serão criptografados. Fica mais difícil de um hacker roubar os dados do site”, acentua Alexis.

Ele explica que se tem o certificado, mas a data não é válida, os dados continuam sendo criptografados, porém como o algoritmo não está atualizado, pode acontecer alguma falha de segurança.

Veja como o site da Partiu é seguro:

Ele aconselha, também, a não comprar de empresa não conhecida fora do Brasil: “Empresas que você não consegue ver a origem, nem nenhum tipo de informação de segurança comprovada, que você não consegue verificar dados da compra ou transação, devemos ter cautela.

Tome muito cuidado também com lojas com domínio “.com” apenas (sem o br). Quando usado aqui no Brasil, geralmente, são websites maliciosos, pois alguns são não é possível sequer saber o proprietário do mesmo.

Por fim, ele pontua que ao realizamos uma compra devemos pesquisar no próprio site como é feita entrega, se existe alguma parceria com alguma transportadora, e se é enviado algum código de rastreamento. “Uma parceria com uma empresa de transporte reconhecida é uma segurança, pois você saberá que ao finalizar a transação a empresa entregará seu produto a outra empresa confiável para fazer a logística até você”, finaliza.

BLACK FRIDAY NA PARTIU SER NÔMADE

Aqui não existe Black Fraude.

No que diz respeito a segurança, estamos prontos desde o dia zero. Nosso ecommerce é totalmente criptografado, além disso, já estamos alinhados com a LGPD (Lei Geral da Proteção de Dados) desde o ano passado (2019).

Temos orgulho de não ter nenhuma reclamação no site “Reclame Aqui”. A nossa proposta de geração de valor e honestidade é bem clara.

Nossos clientes contam com um suporte sensacional desde o início da sua jornada conosco.

Gostou deste artigo? Vai seguir as dicas de segurança?

Partiu ser nômade TEAM

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.